Início do conteúdo

Projeto da Terapia Ocupacional oferece atendimento a pessoas com deficiência durante a Pandemia

Diante deste período de isolamento social devido a Pandemia da Covid-19 o projeto de extensão Terapia Ocupacional Acessibilidade e Inclusão (TO AI) passou por algumas modificações, adaptando-se diante dessa nova realidade para continuar desempenhando seu papel social e mantendo o vínculo e construção de conhecimento dos alunos vinculados ao projeto.

Os atendimentos passaram a ser por meio de telemonitoramento, momento em que são verificadas informações sobre a progressão dos pacientes, realizadas orientações sobre o Covid-19 e sobre seguimento do tratamento, a fim de minimizar as consequências da suspensão dos atendimentos presenciais.

Para acompanhamento do grupo de alunos, ocorrem encontros síncronos via web conferência onde são discutidos os casos e estratégias de orientação. Também são construídos materiais textuais e ilustrativos contendo dicas de higienização e cuidados durante este período de pandemia, além de ressignificação de papeis ocupacionais e reorganização de rotinas.

O projeto conta ainda com as redes sociais como ferramenta de interação com a comunidade e divulgação de recomendações, dicas de higienização e cuidados sobre a propagação do Covid-19 para pessoas com diferentes tipos de deficiência e seus familiares.

Conheça o Projeto

O projeto de extensão TO AI tem como principal objetivo garantir e aprimorar o acesso das pessoas com deficiência a todos os espaços, ambientes, ações e processos, com o intuito de melhorar a qualidade de vida no desempenho ocupacional das pessoas, visando o pleno desenvolvimento pessoal, social, acadêmico e profissional, assegurando a acessibilidade e inclusão propondo ações, modificações, adaptações e contribuições para ampliação do acesso a espaços, informação e participação social.

O projeto ocorre semanalmente e antes da Pandemia, oferecia atendimentos presenciais  no Serviço Escola da Terapia Ocupacional – SETO da UFPel. Também realiza orientações e consultoria sobre acessibilidade e inclusão para escolas da rede municipal e estadual e ainda realiza atendimentos domiciliares para pessoas com deficiência. O projeto conta com a colaboração de 12 alunos e já realizou avaliação de acessibilidade de espaços da universidade.