Início do conteúdo

FAEM comemora 135 anos de fundação

A casa que formou mais de 7 mil profissionais – entre eles a primeira agrônoma do Brasil -, celebrou nesta sexta-feira (7) seus 135 anos de criação. A Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel (FAEM), uma das células fundadoras da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), reuniu professores, alunos, técnicos e amigos, de hoje e do passado, para comemorar a trajetória de glórias e desafios. Após um ano de eventos e momentos alusivos à data, a programação dos 135 anos encerrou com a cerimônia, que teve discursos, apresentação da campanha de criação de Memorial e livro, inauguração de elevador, abertura de exposição e entrega de quatro quadros de formatura restaurados.

“Vida longa à FAEM”, conclamou o diretor da Unidade, professor Dirceu Agostinetto. Em sua manifestação, o gestor fez questão de salientar os números que refletem a relevância da Faculdade. Em sua história, lembrou, já teve seis diferentes nomes e passou por três instituições de ensino. Soma 7.005 engenheiros agrônomos formados, junto a 139 zootecnistas, dois mil mestres e doutores mais de mil especialistas. Hoje, são 101 professores, 49 técnico-administrativos, 1.033 alunos de Agronomia e 370 de Zootecnia, junto a oito Programas de Pós-Graduação que somam 708 matrículas. A estimativa é de que circulam diariamente na FAEM cerca de duas mil pessoas. “Temos profissionais formados aqui pelo Brasil todo e também no mundo. Nossa trajetória é grande e coroada. Nossa casa respira e todo dia aqui há alguém passando por emoções e atividades importantes na sua vida”, destacou.

O presidente da Associação de Ex-Alunos da FAEM, Geri Eduardo Meneghello, ressaltou a importância de reunir os egressos da casa, trabalho que vem sendo feito em parceria com a entidade. “Sabemos o quanto a saudade se manifesta e o desejo que temos de nos mantermos pertencentes a esta casa. A Associação está presente para manter viva essa história”, disse.

O coordenador de Arte e Inclusão da Pró-Reitoria de Extensão e Cultura (PREC), Fernando Igansi, apresentou a campanha “FAEM 135 Anos: História de Muitas Memórias”, cujo site oportuniza adesão à ação que busca arrecadar fundos para a construção do Memorial Maria Eulália da Costa e atividades de promoção da FAEM. Há as categorias Pessoa Física e Pessoa Jurídica e, conforme os planos escolhidos, o colaborador receberá produtos simbólicos com a marca dos 135 anos.

Em seguida, a professora do curso de Conservação e Restauração de Bens Culturais Móveis, Andréa Bachettini, fez a entrega oficial de quatro quadros de formatura do início do século 20, que passaram por um processo de recuperação.

A professora do curso de Arquitetura e Urbanismo, Ana Lúcia Costa de Oliveira, apresentou aos presentes a proposta da exposição permanente “Arquitetura e História” que está instalada no hall do Salão Nobre. São painéis que mostram a história de Pelotas e da própria FAEM há cerca de cem anos. O material até então fazia parte do acervo do curso de Arquitetura. “Aqui é o seu lugar merecido”, salientou.

A atividade contou, ainda, com um momento de louvor e com a composição de uma mesa de honra composta por ex-diretores da Unidade. Também foi inaugurado um elevador panorâmico, para acesso a três pavimentos. Seguindo a tradição da FAEM, do plantio de uma árvore marcando datas especiais, foi apresentada uma muda de anacauita, espécie tolerante a condições adversas e dona de boa sombra. Depois, ainda houve almoço por adesão no CTG Os Carreteiros.

Protagonismo
O reitor da UFPel, Pedro Curi Hallal, salientou duas palavras que segundo ele devem ser ditas com mais frequência: “obrigado” e “parabéns”. Hallal teceu agradecimentos pelo protagonismo e trajetória da FAEM, um dos embriões da Universidade, e parabenizou a comunidade acadêmica da Unidade pelo trabalho realizado. “Que venham muitos mais anos”, desejou.

Na ocasião, o reitor falou sobre a importância do Campus Capão do Leão e a necessidade de investimento e atenção ao local. Citou avanços como as reuniões do Conselho Universitário – que voltaram a ser realizadas no Capão do Leão – e a disponibilização dos ônibus próprios e gratuitos, com conforto e segurança, para a comunidade do Campus. Hallal anunciou que o Auditório da FAEM, atualmente sendo reformado, deverá ser entregue à comunidade em maio.

O reitor destacou, ainda, a característica democrática da FAEM e sua representatividade, já que o primeiro presidente do Diretório Central de Estudantes (DCE) da UFPel era aluno da Faculdade. Hallal lembrou também da cerimônia realizada em outubro, quando, 50 anos depois, uma turma da FAEM realizou a formatura impedida pela Ditadura.

Restauro
O curso de Conservação e Restauração de Bens Culturais Móveis foi responsável pela recuperação de quatro quadros de formatura da FAEM que datam do período de 1910 a 1925. Cerca de um ano foi despendido no processo, que incluiu, entre outros aspectos, a restauração das molduras, do suporte (papel ou tela), desinfestação, reintegração de partes faltantes, recuperação pictórica e acabamento. De acordo com a professora Andréa Bachettini, orientadora do trabalho, os primeiros quadros a passarem pelo restauro foram escolhidos devido ao estado de danificação e pela importância dos artistas – entre eles, está o expoente da arte pelotense Frederico Trebbi. O processo de restauração dos quadros da FAEM prossegue, e a próxima etapa inclui mais nove itens, entre eles o quadro do patrono Eliseu Maciel.

Publicado em 10/12/2018, em Destaque, Notícias.