Início do conteúdo

PPG em Organizações e Mercados terá curso de Doutorado

A Universidade Federal de Pelotas teve mais um curso de doutorado aprovado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Ensino Superior (CAPES): o programa de pós-graduação em Organizações e Mercados, do Departamento de Economia do Instituto de Ciências Humanas da UFPel, está autorizado a oferecer vagas nesse nível de stricto sensu.

Focado na área de Economia Aplicada, o programa manterá para o novo doutorado as mesmas linhas de pesquisas que já vem sido trabalhadas pelos pesquisadores de mestrado e seus orientadores: Economia da Saúde, da Educação e do Trabalho e Finanças e Economia Rural e do Meio Ambiente.

O Doutorado em Organizações e Mercados da UFPel é o primeiro do interior do estado: até hoje, os demais doutorados em Economia do estado estão localizados em Porto Alegre. “Esse é um ponto que merece destaque”, afirma o coordenador do PPG, Felipe Garcia.

O dirigente do programa mostrou-se bastante satisfeito com a notícia da aprovação da proposta de doutorado, divulgada nesta sexta-feira (5). “É um reconhecimento do nosso trabalho e do nosso empenho”, diz Garcia, ao lembrar que essa consideração já havia sido apontada na última avaliação do PPG, quando este teve seu conceito elevado para o nível 4, o que possibilitou a inscrição da proposta do novo doutorado. Ele lembra que este é um programa jovem, criado em 2009, e que mesmo com corpo docente enxuto, de cerca de 10 professores, tem conseguido desenvolver pesquisa de excelência.

Para o coordenador, esse resultado é fruto do alinhamento das pesquisas desenvolvidas no âmbito do PPG com aquilo que há de mais moderno na pesquisa em Economia, em especial de uma das áreas que tem concentrado mais a atenção de seus pesquisadores: o impacto dos programas sociais no desenvolvimento humano e nas condições do mercado de trabalho. “Tudo isso utilizado as técnicas mais modernas de pesquisa em Economia”, explica.

A partir de agora, a expectativa é de uma qualificação ainda maior do trabalho desenvolvido pela unidade. “Com o doutorado, nossos alunos ficam conosco mais tempo, desenvolvendo pesquisas mais aprofundadas”, pontua o docente. Essa visão é partilhada pelo pró-reitor de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação da UFPel, Flávio Demarco, que também comemora a aprovação da proposta: “Nossos estudantes acabavam migrando para outros programas justamente quando começariam a realizar uma produção mais consistente”. Outras portas abertas com esse novo curso são as da internacionalização.

A previsão é que o novo doutorado já tenha suas primeiras atividades no primeiro semestre letivo de 2019. De acordo com Garcia, o cronograma ainda deve ser aprovado no Colegiado do PPG, mas a previsão é que o edital de seleção seja divulgado no mês de dezembro.

Propostas indeferidas terão recurso

Entretanto, a mesma decisão que aprovou a criação do Doutorado em Organizações e Mercados também indeferiu outras propostas encaminhadas pela UFPel: de um possível novo programa de pós-graduação em Engenharia de Produção, com curso de mestrado, e dos doutorados em Arquitetura e Urbanismo, Artes Visuais e Nutrição e Alimentos.

De acordo com o pró-reitor Demarco, assim que os pareceres forem devolvidos à Universidade, serão interpostos os devidos recursos, o que deverá ocorrer num prazo de cerca de 10 dias.

No entanto, ele afirma que a Universidade teve uma aprovação maior que a média de 10% das propostas: neste ciclo de propostas, a UFPel já teve aprovado o novo doutorado em Sociologia. Além disso, há outra decisão sendo aguardada, a do doutorado em História, que deve ser divulgada na próxima semana.

De qualquer forma, segundo Demarco, esse é um sinal do fortalecimento da pesquisa e da pós-graduação na área de Ciências Humanas e Sociais, cujos programas foram iniciados mais tarde em comparação aos demais, mas que já mostra uma grande consolidação no cenário da Universidade. Além disso, a UFPel chega em 2018 à marca de 28 cursos de doutorado, com a aprovação dos dois novos e a migração do PPG em Letras da Universidade Católica de Pelotas, podendo chegar a 29, sendo que no início de 2017 havia 26.

Publicado em 05/10/2018, em Destaque, Notícias.