Início do conteúdo

Radioterapia do Hospital Escola completa 100 dias de reabertura

Foi numa ação de Outubro Rosa, em Bagé, que Kátia Eliane Silva Borges, de 50 anos, descobriu um câncer de mama. Anualmente ela participava da ação, mas no ano passado que foi identificado um nódulo e, após a biópsia, o diagnóstico de neoplasia. Em fevereiro deste ano a cirurgia aconteceu e em abril foi chamada no Unidade de Hematologia e Oncologia do Hospital Escola da Universidade Federal de Pelotas (HE UFPel). Todo o atendimento foi feito pelo Serviço Único de Saúde (SUS) e entre o diagnóstico e a última sessão de radioterapia, na segunda-feira (26), se passaram nove meses.

Ela não precisou de quimioterapia e será acompanhada por mais cinco anos. “Tenho certeza que Deus me trouxe até aqui. Não vim a este mundo para ser cuidada, vim para cuidar. Estou tão emocionada que nem dormi essa noite”, declarou ela. Os agradecimentos à equipe médica, de enfermagem e de apoio foram muitos, bem como os elogios à estrutura, higiene e qualidade dos materiais na unidade. “O atendimento aqui é excelente, todos têm muito cuidado e carinho com os pacientes que estão nessa fase tão difícil. Ainda bem que o serviço reabriu e eu pude me tratar e chegar até aqui com uma boa saúde, caminhando, não deixando de fazer nada na minha vida. E ainda tive a bênção de descobrir que serei avó”, acrescentou.

O serviço de radioterapia reabriu em 31 de maio deste ano e, desde então, já atendeu mais de 100 pessoas que aguardavam atendimento. Atualmente 40 pacientes recebem o tratamento e a expectativa é ampliar esse número para 60 pacientes por dia. “Acreditamos que em dois meses já seja possível atingir essa meta”, explicou a enfermeira Luana Wachholz.

Fundamental para aumentar as chances de cura, a radioterapia faz parte do tripé que embasa o tratamento oncológico, em conjunto com a cirurgia e a quimioterapia. Conforme explica o especialista, médico Ricardo Nakamura, para os pacientes, o tratamento com a radioterapia também significa redução do tempo de espera e muitos benefícios de melhora na qualidade de vida, como controle da dor e de sangramentos e, em certos casos, recupera a autonomia como, por exemplo, para voltar a caminhar. “A radioterapia traz bem-estar e alívio da dor, inclusive para quem já está em cuidados paliativos e consegue ter mais qualidade de vida”, ressaltou.

De acordo com o físico, Luciano Schwanke, a equipe está se aprimorando cada vez mais e, nesse período inicial, pôde alinhar os processos para atender ainda mais pacientes, sempre primando pela qualidade do atendimento. “Temos uma meta contratualizada de 600 novos casos por ano e é um número bem possível de ser atingido”, destacou.

A reabertura do serviço de radioterapia traz um importante incremento no acesso e na qualidade do tratamento de pacientes oncológicos. O serviço atende pacientes de Pelotas e região, regulados pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS). “Considerando-se que até dois terços dos pacientes com câncer necessitarão de radioterapia, continuaremos empreendendo esforços para aumentar as possibilidades de atendimento, através da contratação de pessoal e upgrade dos equipamentos”, destacou a gerente de atenção à saúde, Carolina Ziebell.

“É com grande satisfação que acompanhamos a produção crescente do serviço nesses três primeiros meses e aproveitamos para parabenizar a equipe pela qualidade do atendimento prestado e colocar a direção do hospital à disposição para o que for necessário”, acrescentou a superintendente do hospital, Samanta Madruga.

 

Publicado em 30/08/2019, em Notícias.