Início do conteúdo

Conservatório de Música realiza 1º Acordeonando

O 1º Acordeonando ocorrerá no dia 11 de setembro, às 20h, no Salão Milton de Lemos, do Conservatório de Música da UFPel (Rua Félix da Cunha, 651). O evento integra a comemorações dos  101 anos do Conservatório de Música e tem a coordenação do acadêmico e professor Vinicius Terres.

O I Acordeonando tem como objetivo fomentar o estudo do acordeom, integrando alunos da Oficina de Acordeom do Conservatório e músicos convidados. O Acordeon ( Gaita ) foi instituído como instrumento símbolo do Rio Grande do Sul no projeto número 112/2010 aprovado na sessão plenária em 24/08/10, com o propósito de Homenagear os acordeonistas e resgatar a história deste instrumento que faz parte do Rio Grande do Sul.

História do Acordeon

Baseado nestes fatos, chegamos a conclusão que o primeiro acordeon inventado foi a gaita ponto.

O tchneng (ou cheng), instrumento que deu origem a vários instrumentos, inclusive o acordeon, foi criado na china por volta de 3 mil anos antes de cristo, constituído por uma palheta de bambu que presa aos lábios vibrava com o auxílio dos dedos aproveitando acústica da boca.

Foi o construtor de instrumentos musicais Cyrill Demian (austríaco de viena) que, no ano de 1829, inventou a “gaita de mão”, assim denominada popularmente para distingui-la da “gaita de boca”, já existente naquela época, dando-lhe porém, o nome de “acordeon diatônico”.

Para esta criação totalmente nova, Demian baseou-se em experiências que o construtor berlinense e inventor da gaita de boca Friedrich Buscmhann realizara em 1822, provando a possibilidade de construir um instrumento, musical com sanfona manejada pela mão em vez de foles movidos pelo sopro.

O acordeon foi patenteado por Demian em 06 de maio de 1829 na cidade de Viena, e o primeiro conserto foi realizado no dia 19 de junho de 1829 em Londres por Wheatstone.

A introdução da Gaita no Rio Grande do Sul

A família de Pedro Roth Birkenfeld chegou no ano de 1846 a São Leopoldo com seus três filhos (Jacob, Herrmann e Fritz). O primeiro nascera em 1835 e antes de imigrar, o pai, provavelmente por ocasião das festas de natal em 1845, presenteou o filho com um acordeon diatônico (gaita ponto). Já durante a travessia Jacob, então com 11 anos, divertia os imigrantes com suas apresentações neste instrumento.

Aliás, os primeiros acordeões só poderiam ter sido trazidos para cá depois da Revolução Farroupilha, já que esse instrumento fora inventado em 1829, ano em que parou a imigração alemã, reiniciando-se em 1845, depois da pacificação do Rio Grande do Sul. Assim como o garoto Jacob Roth, outras famílias de imigrantes alemães devem ter chegado com instrumentos musicais, incluindo o acordeão.

A paz, porém, não duraria muito, já em 1851 começaria a guerra contra o ditador argentino Manoel Rozas. Para esta foram contratados  dois mil militares alemães, conhecidos como “brummer”, com os quais foram trazidos os acordeões de Demian.

Assim, depois que os “brummer” deram baixa em 1854, alguns trabalharam como músicos itinerantes, oferecendo-se para animar bailes, festas de batismo e de casamento. Acccith  Accall  “brummers”

Foi no sul que surgiram os primeiros construtores brasileiros, na maioria descendentes de italianos, como Túlio Veronese e o casal Cesare Arpini e Maria Savoia. Em 1923, o imigrante alemão Alfred Hering cria as “Gaitas Hering” em Blumenau – Santa Catarina, que, aos poucos, além de gaitas, passa a produzir diversos tipos de acordeons, entre os quais as sanfonas de oito baixos, que serão muito difundidas em todo o Brasil. Em 1960, com o falecimento de seu fundador, a Hering é comprada pela companhia alemã Hohner. No dia 28 de Abril de 1939, surge em Bento Gonçalves, a Todeschini & Cia. Fundada por Luis Matheus Todeschini. Em 1947, com a ampliação de seu pátio industrial, a empresa é rebatizada como Acordeões Todeschini.  (Fonte: https://casadagaitaponto.com.br/historia-do-acordeon/)

SERVIÇO:

O que:  I ACORDEONANDO DO CONSERVATÓRIO DE MÚSICA

Quando: 11 de setembro de 2019 às 20h

Onde: Salão Milton de Lemos – Conservatório de Música da UFPel

Quanto: Entrada Franca (aceitamos doação de alimentos não perecíveis)

Publicado em 06/09/2019, em Agenda, Eventos Culturais, Notícias.