Início do conteúdo

UFPel tem treze cientistas na lista dos mais influentes do mundo

A UFPel tem treze cientistas na lista dos 100 mil cientistas mais influentes do mundo. A informação foi publicada recentemente em artigo no periódico Plos One Biology e a pesquisa foi realizada pela Universidade de Stanford, que avaliou os pesquisadores que estão entre os 2% mais influentes do mundo em seus campos de atuação ao longo da carreira e no ano de 2019.

Na lista aparece os nomes do reitor da UFPel, Pedro Hallal, e do pró-reitor de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação, Flávio Demarco.  Demarco atua principalmente com estudos epidemiológicos e clínicos de diferentes desfechos de saúde bucal. Para ele, é importante destacar que essas pesquisas são fruto de uma universidade pública, que apesar de contribuir com tantos resultados importantes para a ciência, ainda carece de investimentos e sofre com o corte de recursos. “O objetivo dos pesquisadores é que as produções possam contribuir com o campo do conhecimento. A citação científica indica que o teu trabalho é importante para outros pesquisadores e que os dados das pesquisas podem contribuir para o desenvolvimento de políticas públicas de saúde, por exemplo”, explica.

Já o reitor Pedro Hallal atua como pesquisador nas áreas de Educação Física e Epidemiologia e tem dedicado sua carreira a estudar a epidemiologia da atividade física, focando nos efeitos da inatividade física na saúde e nos fatores determinantes da prática de atividade física no Brasil e no Mundo. Para ele, a lista é motivo de comemoração. “É um orgulho para a UFPel saber que vários de nossos professores figuram entre os mais influentes do mundo em suas áreas de atuação. A UFPel definitivamente se encontra em outro patamar e isso deve ser comemorado pela nossa comunidade”, disse.

De acordo com o coordenador de Pesquisa da UFPel, Marcos Britto, os resultados desta análise mostram a trajetória consolidada e o alto impacto da pesquisa realizada no Centro de Pesquisas Epidemiológicas da UFPel. Além disso, analisando os dados do ano de 2019, é possível visualizar o crescimento de grupos mais jovens na UFPel, como os formados por pesquisadores do PPG em Odontologia e do PPG em Ciência e Tecnologia dos Alimentos. “A UFPel tem um corpo docente jovem e extremamente qualificado, que vem destacando-se em várias áreas nos anos recentes. Assim, acreditamos que estejamos numa trajetória ascendente, onde provavelmente teremos a inclusão de novos nomes nessa lista nos próximos anos”, comemora.

A pesquisa

Os pesquisadores da Universidade de Stanford criaram um indicador de impacto de publicações padronizado para todas as áreas do conhecimento e disponibilizaram o banco de dados com os pesquisadores mais influentes em termos de impacto de suas produções em cada área. Foram realizadas duas análises, a primeira com dados de impacto de toda a carreira dos pesquisadores e a segunda com dados de impacto somente no ano de 2019.

Um conjunto de métricas disponíveis na base SCOPUS foi utilizada pelos autores para criação do índice composto. O artigo pode ser acessado em https://doi.org/10.1371/journal.pbio.3000918. O acesso ao banco de dados da pesquisa é público e disponível em: https://data.mendeley.com/datasets/btchxktzyw/2

Mulheres na ciência

É importante destacar a atuação das mulheres nessa lista, sobretudo, porque existe uma grande disparidade no ambiente acadêmico entre a produção dos homens e das mulheres. De acordo com dados da Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação, apesar do grande número de mulheres estudando na UFPel, no topo da vida acadêmica, são os homens que acabam tendo destaque. Na lista estão quatro pesquisadoras da UFPel: Ana Menezes, Suzete Chiviacowski, Elessandra Zavareze e Iná Santos.

A pesquisadora Elessandra da Rosa Zavareze, atual coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia de Alimentos é filha de agricultores, viveu sua infância no interior de Alegrete e conseguiu continuar os estudos com o apoio de sua mãe que se mudou com ela para a cidade. Formada em Engenharia de Alimentos, fez mestrado em Ciência e Tecnologia Agroindustrial e doutorado em Engenharia e Ciência de Alimentos.

Atuou como professora na Unipampa e em 2013, ingressou como docente da UFPel. Desde então atua em um grupo de pesquisa, liderado por ela e pelo professor Alvaro Renato Guerra Dias. O grupo pesquisa biopolímeros e nanotecnologia em alimentos.

Entre as dificuldades que passou durante a sua carreira de cientistas, Elessandra destaca um problema de saúde que enfrentou entre 2016 e 2017. “Tive um ano de afastamento para tratar um câncer, em meio a muitas dificuldades não deixei a pesquisa de lado, pois acredito que a pesquisa científica pode melhorar as nossas vidas”, relembra.

Elessandra tem um total de 135 artigos publicados, em sua maioria em revistas internacionais de alto fator de impacto. O programa em que ela atua tem se dedicado em estudos importantes na área de ciência e tecnologia de alimentos que englobam interesses mundiais, destacando-se a melhoria de processos para produção de alimentos seguros e saudáveis para população. “A notícia que meu nome constava nessa lista tão importante, ao lado de grandes pesquisadores renomados mundialmente, foi recebida com imensa surpresa, alegria e orgulho pelo reconhecimento de nossas publicações, em tempos tão difíceis na política, saúde e de limitações financeiras. Continuamos lutando pelo ensino público de qualidade para viabilizar o seguimento do nosso trabalho”, observa.

Os pesquisadores da UFPel

A UFPel aparece no ranking com sete pesquisadores na lista que considera toda a carreira e 13 pesquisadores na lista que avaliou o impacto dos pesquisadores somente no ano de 2019, sendo que os sete pesquisadores da lista do ranking por carreira também estão na lista de 2019.

TOP 2% Carreira e em 2019

Cesar Victora

Cesar Victora é Professor Emérito de Epidemiologia na Universidade Federal de Pelotas, onde coordena o Centro Internacional de Equidade em Saúde. Ocupa também cargos honorários nas Universidades de Harvard, Oxford e Johns Hopkins. Desde a década de 1970, tem atuado nas áreas de saúde materno-infantil, coortes de nascimento, desigualdades em saúde e avaliação de impacto de programas de larga escala. O Prof. Victora é membro da Academia Brasileira de Ciências (2006) e da The World Academy of Sciences (2018), havendo atuado como Presidente da Associação Epidemiológica Internacional de 2011 a 2014. Possui mais de 750 artigos publicados, com um índice H de 96 (mais de 40.000 citações) conforme o Web of Science, instituição que em 2018, 2019 e 2020 o classificou entre os 1% de cientistas mais citados no mundo. Em 2017, recebeu o Prêmio Gairdner de Saúde Global, no Canadá. Atualmente, atua na coordenação da pesquisa EPICOVID-19, que monitora a progressão da pandemia de coronavírus em 133 cidades brasileiras.

Aluísio Barros

Aluísio é médico, formado pela Universidade Estadual de Campinas (1983), e se doutorou em Epidemiologia pela London School of Hygiene and Tropical Medicine (1996). Atualmente é Professor Titular da Universidade Federal de Pelotas e docente permanente do Programa de Pós-graduação em Epidemiologia. Suas principais áreas de atuação são equidade em saúde e epidemiologia do ciclo vital. Juntamente com o Prof. Cesar G Victora, criou o Centro Internacional para Equidade em Saúde (www.equidade.org) que tem intensa atividade de monitoramento de desigualdades em saúde, formação de acadêmicos em nível de mestrado, doutorado e pós-doutorado e produção científica de alto impacto. Publicou mais de 340 artigos científicos, que receberam cerca de 16.000 citações de acordo com a base Scopus (índice H = 53). Bolsista PQ-1A do CNPq desde 2006.

Pedro Hallal

Educador Físico e epidemiologista. É um dos sócios fundadores e ex-presidente da Sociedade Brasileira de Atividade Física e Saúde. Tem dedicado sua carreira a estudar a epidemiologia da atividade física, focando nos efeitos da inatividade física na saúde e nos fatores determinantes da prática de atividade física no Brasil e no Mundo. Em 2020 passou a coordenar a Pesquisa EPICOVID19 no Rio Grande do Sul e no Brasil, sendo o único estudo populacional sobre coronavírus no mundo a realizar oito fases de acompanhamentos com a população das mesmas cidades, contribuindo de maneira crucial para o entendimento da evolução da pandemia de COVID-19 no Brasil.

Ana Menezes

Graduada em Medicina pela UFPel, mestrado pela University of Southampton e doutorado em Pneumologia pela UFRGS. Pesquisadora do CNPq, nível 1A. Professora Emérita da UFPel e Membro Titular da Academia de Medicina do RS. Prêmio Homenagem à Contribuição Singular na Sociedade de Pneumologia do RS; Prêmio Pesquisador Gaúcho na área da Saúde conferido pela FAPERGS. Figura no ranking dos cem primeiros autores mais citados sobre a Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (2015). Foi incluida no Clarivate/Web of Science Highly-Cited Researchers List. Membro do Comitê de Assessoramento de Saúde Coletiva e Nutrição (CA-SN) do CNPq. Coordenadora do projeto PLATINO (Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica). Tem experiência na área de Medicina, com ênfase em Pneumologia e Epidemiologia. Principais áreas de atuação: doenças crônicas não transmissíveis, como câncer, doenças respiratórias e tabagismo; ainda atua em pesquisa na área da saúde materno-infantil.

Bernardo Horta

O pesquisador da UFPel, Bernardo Lessa Horta, graduou-se em Medicina (1991), é mestre em Epidemiologia (1995) pela UFPel e PhD em Epidemiologia e Bioestatística pela Universidade McGill do Canadá (2001). A investigação do impacto da nutrição e do crescimento na infância sobre o capital humano e o desenvolvimento de fatores de risco para doenças não transmissíveis se encontram entre as suas principais contribuições científicas. Suas pesquisas incluem as áreas de Epidemiologia Materno-Infantil, Epidemiologia do Ciclo Vital e Avaliação dos Serviços de Saúde. É o atual coordenador da Área de Avaliação de Saúde Coletiva da CAPES e do estudo de Coorte de Nascimentos de 1982 em Pelotas, que inseriu a epidemiologia brasileira no contexto científico internacional dos estudos em epidemiologia do ciclo vital. Atualmente, integra a coordenação do Estudo de Evolução da Prevalência de Infecção por Covid-19 no Brasil (Epicovid19-BR), conduzido pelo Centro de Pesquisas Epidemiológicas da UFPel.

Fernando Barros

Sou médico pediatra e epidemiologista, trabalho principalmente com saúde perinatal. Meu trabalho é relevante por estimar prevalências de problemas de saúde que não são, habitualmente, disponíveis. Trabalho também com desigualdades sociais, e nesta área falar de relevância, em um país como o Brasil, não é mesmo necessário.

 

 

Joseph Murray

Joseph Murray pesquisa as influências biopsicossociais no desenvolvimento infantil e determinantes e prevenção da violência. Ele é coordenador do estudo PIÁ, que é pioneiro no Brasil por avaliar métodos de prevenir violência desde a primeira infância, através de apoio a pais de crianças vulneráveis. Ele é Professor Titular no Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia da Universidade Federal de Pelotas e diretor do Centro de Pesquisas em Desenvolvimento Humano e Violência (DOVE). Ele é Britânico e fez sua graduação na Universidade de Oxford e seu mestrado, doutorado e pós-doutorado na Universidade de Cambridge; ele mora no Brasil há mais de dez anos.

TOP 2% em 2019

Suzete Chiviacowski

Meus estudos investigam os efeitos de fatores motivacionais que afetam o desempenho e a aprendizagem motora. Exemplos incluem, 1) suporte à autonomia, através do uso de escolhas sobre variáveis de prática; 2) suporte à competência, na forma de feedback positivo, estabelecimento de critérios de sucesso, concepções de capacidade e redução de estereótipos negativos; e 3) suporte ao relacionamento social, em contextos professor-aluno e de interação entre pares. Tal conhecimento, com caráter sócio-cognitivo-afetivo-motor, tem contribuído para a otimização do desempenho e da aprendizagem em vários contextos de intervenção professional, tais como Educação Física, Esporte, Música, Dança, Medicina, Fisioterapia e Terapia Ocupacional.

Flávio Demarco

Sou docente da UFPel desde 1992, atuando nos PPGs Odontologia e Epidemiologia. Trabalho em duas linhas de pesquisa: 1) estudos clínicos onde os principais resultados estão relacionados a demonstrar a durabilidade dos materiais restauradores, o que influencia na prática clínica odontológica; 2) Estudos epidemiológicos  – estudos de saúde bucal das coortes de nascidos vivos de Pelotas, para investigar como diferentes exposições ao longo da vida podem impactar a saúde bucal do indivíduo, tendo como principais resultados a  estimativa de fatores de risco às doenças bucais, denunciar situações de desigualdade em saúde e, a partir daí, poder auxiliar na proposição de políticas públicas de saúde bucal.

Elessandra Zavareze

Elessandra da Rosa Zavareze, Engenheira de Alimentos, atual coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia de Alimentos – UFPel e Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq, PQ 2. Juntamente com seu grupo de pesquisa, desenvolve estudos sobre o uso da nanotecnologia em alimentos e em embalagens ativas e inteligentes para alimentos, utilizando biopolímeros e compostos bioativos com ações antioxidante/antimicrobiana, obtidos de resíduos agroindustriais. Além de produzir ciência e tecnologia, o grupo de pesquisa tem como objetivo principal a formação e qualificação acadêmica.

 

 

Iná Santos

Médica formada pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Pelotas e doutora em Ciências Médicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, foi Research Fellow na London School of Hygiene and Tropical Medicine da Universidade de Londres. É Professora Titular na UFPel, Professora Adjunta na Escola de Medicina da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) e Pesquisadora Bolsista do CNPq PQ-1A. Pesquisa na área de saúde materna e infantil e em avaliações de impacto de programas de saúde.

Álvaro Renato Dias

Possui graduação em Agronomia pela UFPel (1988), Mestrado em Ciência e Tecnologia Agroindustrial pela UFPel (1993) e Doutorado em Tecnologia de Alimentos pela Universidade Estadual de Campinas (2001). Atualmente é professor Titular do DCTA/FAEM/UFPEL, Docente Permanente do Programa de Ciência e Tecnologia de Alimentos da UFPel e Bolsista Produtividade 1B do CNPq. Tem atuação na área de Ciência e Tecnologia de Alimentos com ênfase no processamento e industrialização de produtos amiláceos, amidos e féculas nativas e modificadas para aplicação em alimentos e indústria de transformação, nanofibras, aerogéis e hidrogéis a partir de biopolímeros e filmes biodegradáveis.

Rafael Moraes

Desenvolve estudos na área de odontologia restauradora, com ênfase em materiais de uso odontológico. Suas linhas de pesquisa incluem o desempenho de técnicas e materiais dentários, práticas de comunicação científica e síntese de conhecimento em odontologia. Seus estudos geram evidências laboratoriais e clínicas na área da saúde e têm impacto na tomada de decisões por dentistas, envolvendo a seleção e aplicação de materiais e técnicas clínicas no cuidado com a saúde de pacientes.

 

 

Publicado em 20/11/2020, em Notícias.