Início do conteúdo

Unidade de Diagnóstico Molecular COVID-19 ultrapassa a marca de mil testes

Na última sexta-feira (4) a Unidade de Diagnóstico Molecular COVID-19 da UFPel ultrapassou a realização de 1100 testes de RT-PCR para COVID-19. O número corresponde a mais de 3300 reações de PCR, pois compreendem três genes alvos para o diagnóstico recomendados pelo CDC (Centers for Disease Control and Prevention).

No feriado de 7 de setembro a Unidade atingiu 514 testes de amostras do HE e 656 da SMS. Totalizando 1170 amostras laudadas, sendo 324 positivas atingindo o percentual de 27,7%. De acordo com a coordenadora da Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde, Carmen Viegas, o Laboratório tem desempenhado papel fundamental para o município. “Todos os pacientes internados nos diferentes hospitais com suspeita de Covid-19, assim como Pronto Socorro, UPA areal e Centro de atendimento as síndromes Gripais, são priorizados”, diz.

A Unidade de Diagnóstico Molecular COVID-19 da UFPel é uma projeto unificado que conta com recursos do governo federal em uma chamada para enfrentamento da pandemia COVID-19. O projeto prevê a criação da Unidade de Diagnóstico baseada no teste “padrão-ouro”, a RT-PCR, a fim de ampliar a testagem de pacientes, profissionais da linha de frente e contactantes.

A Unidade teve suas atividades iniciadas na segunda quinzena de julho, tendo seu teste positivo confirmatório rapidamente confirmado junto ao LACEN-RS, tornando o laboratório colaborador no enfrentamento da COVID-19. O Laboratório além de atender as demandas de testes do Hospital Escola da UFPel atende também as demandas dos todos os demais hospitais do município de Pelotas conforme encaminhadas via Secretaria da Saúde (SMS).

Os testes realizados no laboratório seguem o fluxo dos protocolos do Estado e 100% das amostras são encaminhadas pela Secretaria de Saúde do Município via Vigilância Epidemiológica, afirma o coordenador da Unidade, Tiago Collares.

A estrutura montada tem a capacidade de realização de 100 testes/dia, para emissão dos laudos em até 24h, compreendendo pelo menos 10 etapas do processamento das amostras até emissão dos laudos de diagnóstico.

1. Recebimento das amostras entregues pela vigilância epidemiológica da SMS;
2. Checagem das condições de armazenamento e transporte;
3. Registro interno e associação com os dados do GAL (Gerenciador de Ambiente Laboratorial para Monitoramento de Dados pelo o Estado e Ministério da Saúde);
4. Aliquotagem das amostras para exames e ao banco de amostras COVID-19;
5. Processamento automático para extração do material genético viral para identificação;
6. Processamento de preparo da reação da RT-PCR;
7. Reação RT-PCR;
8. Análise dos resultados;
9. Emissão dos Laudos
10. Armazenamento de registros e banco de amostras;
11. Higienização dos ambientes laboratoriais.

Alguns exemplos de categorias amostrais que tem sido realizadas:

– Quadro de Síndrome Respiratória Aguda Grave
– Pacientes internados no Pronto Socorro de Pelotas;
– Pacientes transferidos entre instituições hospitalares e de ala COVID;
– Gestantes;
– Instituições de Longa Permanência para Idosos;
– Profissionais de Saúde;
– Contactantes de Internados Positivos;
– Obitos;
– Surtos hospitalares;

Segundo Collares, o mais importante é a agilidade para que os laudos cheguem aos hospitais e à Vigilância Epidemiológica para tomadas de decisão. “Estamos trabalhando com uma equipe voluntária de pesquisadores altamente qualificada na técnica de RT-PCR e temos conseguido realizar todos os testes e laudos dentro de 24h após o recebimento das amostras. A resposta que temos obtido dos hospitais é de que isso tem feito toda a diferença no controle de surtos e gestão dos leitos. Isso nos motiva e faz todo o sentido de estarmos no laboratório desde cedo pela manhã até a emissão do último laudo ao final do dia”, afirma.

A equipe técnica envolvida nas atividades relacionadas aos testes de RT-PCR é composta pelos pesquisadores Rodrigo Vaucher, Vanessa Galli, Marcelo de Lima, Fabiana Kommling Seixas, Bruna Silveira Pacheco, Thais Larré Oliveira, Vinicius Campos, Fernanda Sousa e William Borges Domingues e Tiago Collares.