Início do conteúdo

Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência alerta para necessidade de igualdade

Ainda hoje, apenas 30% da comunidade científica do mundo é composta por mulheres. No dia em que a Organização das Nações Unidades (ONU) marca o Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência – 11 de fevereiro -, fica o alerta para a necessidade da igualdade de gênero na ciência. Demanda que existe inclusive na Universidade Federal de Pelotas (UFPel): dos 155 bolsistas de produtividade em pesquisa ou desenvolvimento tecnológico, apenas 37% são mulheres.

Apesar da desigualdade em termos mundiais, o Brasil é um dos países que mais possui equidade de gênero na ciência: em torno de 50% dos autores de artigos científicos são mulheres. No entanto, as posições de destaque tanto na obtenção de financiamentos quanto em bolsas de produtividade ainda são masculinas. O desequilíbrio reflete a questão histórica.

De acordo com o coordenador de Pesquisa da UFPel, Marcos Britto Corrêa, políticas voltadas para a igualdade de gênero na ciência são imprescindíveis e precisam começar desde a infância, na escola. “Para que a ciência seja representativa da sociedade e responda aos seus anseios, todos têm que ser representados”, destacou.

Para que isso ocorra, algumas ações vêm sendo planejadas. Por exemplo, contar, para fins de produção científica dos últimos anos das orientadoras candidatas a bolsas de iniciação científica, um ano adicional se ela usufruiu de licença-maternidade. Ou seja, se a avaliação conta a produção dos últimos três anos, essa mulher poderá ter quatro anos avaliados. A prática deve ser adotada pela UFPel ainda neste ano.

Destaques
Em 2018, a professora da UFPel Ethel Wilhelm, do Centro de Ciências, Químicas, Farmacêuticas e de Alimentos (CCQFA) foi uma das vencedoras do prêmio “Para Mulheres na Ciência”, organizada pela Academia Brasileira de Ciências (ABC), pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e pela L’Oréal, marca de cosméticos. Esta foi a quarta vez que pesquisadoras da UFPel receberam a láurea: em 2011, uma das vencedoras foi a professora Mariana Vieira; já em 2012, foram premiadas as professoras Márcia Mesko e Roselia Maria Spavenello.

Ainda em 2018 a também docente do CCQFA Márcia Mesko integrou a coleção temática “Celebrating Excellence in Research: 100 Women of Chemistry”, que celebra a excelência na pesquisa e destaca 100 Mulheres da Química. Trata-se de uma seleção de artigos de elevada qualidade, publicados por 100 líderes femininas ao redor do mundo em suas respectivas áreas da química, publicada pela Sociedade Real de Química (RSC).

Publicado em 11/02/2019, em Destaque, Notícias. Marcado com as tags Pesquisa, Pesquisa Pós-Graduação e Inovação.