Início do conteúdo

Abertura da Colheita do Arroz conta com participação inédita da UFPel

No mês de fevereiro, Capão do Leão e Pelotas serão as grandes vitrines da produção orizícola da América Latina. A Estação Terras Baixas da Embrapa Clima Temperado, vizinha ao Campus Capão do Leão da UFPel, receberá, de 20 a 22 de fevereiro, a 29ª Abertura da Colheita do Arroz, maior evento relacionado ao grão de toda a América Latina. E esta edição contará com participação inédita da Universidade Federal de Pelotas, que contará com uma vitrine tecnológica para a apresentação de novas práticas.

O evento, que é uma promoção da Federação das Associações de Arrozeiros do Estado do Rio Grande do Sul (Federarroz), em parceria com a Embrapa Clima Temperado e o Instituto Rio-Grandense do Arroz (Irga), foi lançado em coletiva de imprensa na última quarta-feira (30). Além de detalhes da programação, os presentes puderam conhecer as vitrines tecnológicas, pequenas lavouras com novidades a serem expostas aos visitantes. Serão 34 dessas, além de feira de produtos agrícolas e fóruns técnicos e de mercado, em conjunto com vários eventos paralelos.

A Abertura da Colheita, sendo realizada no Capão do Leão, traz à tona o protagonismo da região de Pelotas para a cadeia produtiva do cereal, local que concentra uma considerável parte do plantio, do beneficiamento e dos negócios do arroz. “Pelotas é ponto de extrema significância para a produção do arroz”, explicou o chefe geral substituto da Embrapa Clima Temperado, José Vianna Filho.

O vice-presidente da Federarroz, Alexandre Velho, disse que a expectativa é que a abertura atraia mais de 5 mil visitantes, vindos de mais de cem municípios do Rio Grande do Sul, de outros dez estados do país e de cinco países. Para ele, eventos como esse reafirmam a importância do cultivo arrozeiro, apesar das dificuldades enfrentadas pelo setor nos últimos anos: “Somos responsáveis pela segurança alimentar do Brasil”.

Velho considerou que o tema escolhido para a edição, “Matriz produtiva: atividade diversificada, renda ampliada”, é uma resposta aos diversos problemas encontrados pela orizicultura recentemente, como a concorrência do grão vindo do Mercosul e o baixo preço mínimo praticado. “Queremos trazer tecnologias que mudam realidades, que tenham significância para quem está de sol a sol produzindo”, declarou.

O coordenador regional do Irga, André Matos, explicou que o ato simbólico de abertura se dará em uma lavoura cultivada com novos exemplares de arroz desenvolvidos pela Embrapa e pelo próprio Irga, em um espaço no qual havia uma área de convivência para empregados da empresa de pesquisa: “Construímos uma lavoura de alto nível em uma área não produtiva”, afirma.

Participação inédita

Esta será a primeira vez que a Universidade Federal de Pelotas contará com espaço expositivo entre as vitrines tecnológicas da Abertura da Colheita do Arroz. Dentro do tema da diversificação de culturas nos campos de orizicultura, a UFPel apresentará a utilização da soja em rotação com o arroz, especialmente em áreas de terras baixas.

Segundo o professor do Departamento de Solos da Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel Filipe Selau, responsável pela vitrine, esta é uma alternativa que vem mostrando uma redução da pressão de doenças e também da presença de ervas daninhas. Os experimentos vêm sendo conduzidos no Centro Agropecuário da Palma.

“Produtores em monocultivo sucessivo estão encontrando vários problemas”, cita Selau, concluindo que muitos deles estão deixando de plantar o arroz por causa disso. Por isso, a rotação e a diversificação de cultivo são caminhos que os produtores rurais devem levar em consideração. “A soja tem grande demanda externa e pode colaborar na obtenção de fluxo de caixa em curto prazo”, diz.

O docente considera a oportunidade de expor em uma vitrine tecnológica uma grande oportunidade, em especial pela capilaridade possibilitada e pela ligação direta da universidade com o produtor. “Estamos com uma grande expectativa”, comemora.

O Laboratório de Grãos da FAEM também terá participação. Segundo o professor Nathan Vanier, a equipe do setor usará o espaço para mostrar algumas de suas pesquisas mais recentes, além de realizar demonstrações de secagem e armazenamento de arroz. Também será apresentada uma cartilha de boas práticas de manejo para obtenção de alta qualidade do arroz em sua pós-produção.

Fotos: Paulo Lanzetta – Embrapa Clima Temperado

Publicado em 05/02/2019, em Destaque, Notícias. Marcado com as tags Comunidade, Eventos, Extensão, Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel.