Início do conteúdo

Comissão de Combate ao Aedes aegypti fará visitas aos setores da UFPel

Para orientar a comunidade universitária sobre identificação e eliminação de focos do mosquito, a Comissão de Combate ao Mosquito Aedes aegypti instituída na Universidade Federal de Pelotas (UFPel) começa na próxima semana um cronograma de visitas aos setores da Universidade. A ação ocorrerá no Campus Anglo, Faculdade de Direito, Faculdade de Odontologia, Instituto de Ciências Humanas, Campus 2, Centro de Artes e Campus Capão do Leão.

De acordo com a presidente da Comissão, enfermeira Marilene Farinha, a intenção é informar os servidores, e, mais adiante, os estudantes, quanto aos riscos que o mosquito oferece e, com isso, torná-los vigilantes. “Queremos conscientizar para que essas pessoas sejam multiplicadoras da ideia em seus locais de trabalho e em suas comunidades”, salienta.

Pequenos cuidados realizados pelos servidores em suas residências e em seu local de trabalho serão atos significativos de prevenção das doenças transmitidas pelo Aedes e de promoção da saúde. “São pequenas atitudes de grande importância”, explica Marilene (veja as orientações abaixo).

Em Pelotas, até janeiro deste ano foram localizados seis focos do mosquito Aedes (cinco deles na região da Balsa, próxima ao Campus Anglo, e um no bairro Fragata). Apesar de esses exemplares examinados não serem mosquitos contaminados, a sua presença acende o alerta de vigilância. Não foi identificado nenhum caso dessas doenças no município – somente um caso suspeito, que, se confirmado o contágio, ocorreu em outro estado em região endêmica.

Visitações
5/2 – ICH, Campus II e Centro de Artes
6/2 – Campus Anglo
7/2 – Faculdade de Direito e Faculdade de Odontologia
8/2 – Campus Capão do Leão

Mitos sobre o Mosquito da Dengue

1 – Ar-condicionado e ventiladores matam o mosquito – MENTIRA!
Quando se usa o ar condicionado a temperatura e a umidade baixam, isso inibe o mosquito. Ele tem mais dificuldade para detectar onde estará a possível vítima de sua picada. Porém não morrerá. Estes aparelhos apenas espantam o mosquito, que poderá voltar em outro momento quando eles estiverem desligados.

2 – Para matar os ovos do mosquito basta secar os reservatórios de água parada – MENTIRA!
Não é apenas o simples ato de secar os reservatórios de água parada que irá impedir o mosquito da dengue de se reproduzir. É preciso limpar o local também, pois o ovo ainda pode ser manter “vivo” por mais de um ano sem água.

3 – Repelentes são fundamentais no combate à dengue – MENTIRA!
Repelentes, velas de citronela ou andiroba, ao contrário do que muita gente pensa, não têm muito efeito no combate à dengue, pois têm efeito indeterminado e temporário.

4 – Tomar Vitamina B afasta o mosquito – MENTIRA!
Apesar de ser verdade que o mosquito é atraído de acordo com a respiração e o gás carbônico exalado pela pessoa, a ingestão de vitamina B – alho ou cebola também – (que têm cheiro eliminado pela pele) não é uma medida eficaz de combate à dengue.

Tomar vitamina B pode afastar mosquito, mas isso não dura muito e também irá variar de acordo com o metabolismo de cada pessoa, podendo até não ter efeito algum.

5 – Qualquer picada do mosquito transmite a doença – MENTIRA!
Primeiramente é necessário que o mosquito esteja contaminado. Além disso, cerca de metade das pessoas picadas não desenvolvem a doença. Entre 20 e 50% vão desenvolver formas subclínicas da doença. Ou seja, sem apresentar sintomas. Mesmo assim, é importante em caso de dúvida ou qualquer suspeita procurar o posto de saúde mais próximo.

6 – Borra de café na água das plantas mata os ovos do mosquito – MENTIRA!
Não há comprovação de eficácia da borra de café na água das plantas e sobre a terra no combate ao mosquito. Pelo contrário, já foi verificado na prática que a larva do Aedes aegypti se desenvolve na água suja de borra de café. Ao invés de usar a borra, tente eliminar os pratos dos vasos, ou coloque areia até as bordas deles de forma a eliminar a água. Lave também os pratos com bucha e sabão semanalmente. Isso é eficaz contra a dengue.

7 – As larvas do mosquito só se desenvolvem em água limpa – MENTIRA!
Os ovos do mosquito também podem se desenvolver em água suja e parada. Hoje se discute até se as fêmeas do Aedes têm realmente a preferência pela água limpa. Então para combater a dengue, o importante é acabar com qualquer reservatório de água parada, seja limpa ou suja.

Fonte: Ministério da Saúde

Curiosidades sobre o Aedes aegypti
1- O Aedes aegypti ataca os seres humanos durante o dia, em especial nas primeiras horas da manhã e à tardinha. Preferem picar os tornozelos e os pés e a picada não é dolorida nem dá coceira;
2- A picada do Aedes contaminado pode transmitir a Dengue, Zica, Chikungunya e, mais raro, a febre amarela. Os vírus ficam alojados na saliva do mosquito e são transferidos para o homem quando a fêmea contaminada suga o sangue na hora da picada;
3- O voo desta espécie é em média 1.20 metros de altura;
4- Este mosquito prefere ficar em lugares escuros, não tem preferência por muito calor, se esconde nas horas de maior calor, ataca de manhã e à tardinha. Suporta temperaturas de 5º a 42º, temperatura ótima em torno de 36º;
5- Os maiores surtos de doenças causadas pelo Aedes acontecem no verão devido à elevação da temperatura e intensidade das chuvas;
6- A alimentação do Aedes são frutas e vegetais adocicados e a fêmea se alimenta de sangue animal (preferência humano) após a cópula para maturação dos ovos;
7- O Aedes vive entre 30 e 45 dias. Neste período a fêmea pode gerar em torno de 1.500 a 3.000 novos mosquitos;
8- O ruído deste mosquito é baixo, inaudível ao homem;
9- Na fase de acasalamento as fêmeas precisam de sangue para garantir o desenvolvimento dos ovos. Três dias depois da ingestão de sangue, a fêmea faz a postura de seus ovos;
10- O Aedes possui dois pares de asas translúcidas, três pares de patas, mede 0,5 a 1 cm de comprimento e é preto com listas brancas nas pernas, cabeça e corpo;
11- A fêmea do Aedes voa até 1 km de distância de seus ovos;
12- Os ovos do mosquito, quando sofrem ressecamento rápido (até 15h) após a postura, podem durar até 450 dias no seco, e, ao contato com a água, eclodem rapidamente;
13- O tempo de vida do Aedes aegypti é de 42 a 56 dias para as fêmeas e 10 dias para os machos;
14- O Aedes aegypti demora de 7 a 10 dias da postura dos ovos até a fase adulta. Ocorre em quatro fases: ovo, larva, pupa e mosquito adulto;
15- Somente a fêmea transmite a dengue e é hematófaga (precisa de sangue para maturação dos ovos);
16- A infestação do mosquito se dá durante todo o ano, mas com maior intensidade durante o verão, período com mais calor e chuvas;
17- Os mosquitos têm preferência por algumas pessoas pelo odor da pele, suor, cor da pele e tipo de sangue. O tipo sanguíneo O é mais preferido pelas fêmeas – pessoas com este tipo sanguíneo exalam um odor atraente para o mosquito;
18- Não existe tratamento para a dengue, somente alívio de sintomas;
19- Os sintomas da dengue clássica duram em média sete dias. A febre é alta e súbita entre 39º e 40º, dor de cabeça e dores no corpo principalmente nas articulações, indisposição, náuseas e vômitos;
20- Dengue hemorrágica é quando evolui para alterações na coagulação sanguínea. Pode levar à morte e ocorre quando a pessoa é infectada pela segunda ou terceira vez;
21- Síndrome do choque da dengue é a forma mais grave, podendo levar a problemas cardíacos, hepáticos, neurológicos, digestivos e derrame pleural, podendo levar à morte;
22- Para matar larvas do Aedes deve-se colocar água sanitária nos criadouros conforme orientação dos especialistas e tamanho do recipiente;
23- A única e principal forma de prevenir a dengue é controlando o vetor, tratando e eliminando os criadouros.

Publicado em 01/02/2019, em Destaque, Notícias. Marcado com as tags campanha, Saúde e Qualidade de Vida.