Início do conteúdo

Rede Recop está ativa nos prédios centrais

A Rede Metropolitana de Pelotas (Rede Recop) já está em funcionamento efetivo nos 14 prédios da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) na área Central e do Porto de Pelotas. Os imóveis, contemplados na primeira fase de implantação da Rede em Pelotas, já utilizam a tecnologia há cerca de 30 dias. Entre os benefícios, estão mais estabilidade no acesso, facilidade de manutenção e oportunidade de novos usos da Internet.

A Recop consiste da implantação de infraestrutura de fibra óptica própria voltada para as instituições de pesquisa e educação superior e na formação de consórcios entre as participantes de forma a assegurar sua autossustentação. A Rede Recop é a versão local da Redecomep nacional, iniciativa da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP).

A próxima etapa de instalação do cabeamento da Rede em Pelotas está aguardando a aprovação da CEEE e deve ocorrer em meados de março. Contempla o Instituto Federal Sul-Rio-Grandense (IFSul) – incluindo Campus Pelotas, Reitoria e Campus CAVG. Nas fases seguintes, a Rede chegará até a Faculdade de Medicina, Campus Capão do Leão, Escola Superior de Educação Física (ESEF) e Embrapa. Serão 55 quilômetros de passagem de cabo no total. Prédios que vieram a fazer parte da UFPel depois de o projeto inicial estar em andamento – como é o caso do Campus 2 –, e de outras instituições que vierem a fazer parte da parceria, serão contemplados futuramente.

O projeto foi viabilizado entre RNP, UFPel e Vetorial. A Universidade é a responsável pela administração da Rede, ou seja, sua operacionalização – chamado Ponto de Agregação no contrato com a RNP. Com essa concentração, a resolução de eventuais problemas fica mais ágil e simplificada.

A nova Rede deve resolver o problema de dispersão dos campi da UFPel – a qualidade do acesso é como se todos estivessem no ponto de origem -, reduzir custos com conexões e aumentar a velocidade, além de possibilitar maior segurança pública oportunizado qualificação no vídeomonitoramento e na redução de custos de ligações telefônicas através do projeto VoIP.

Atualmente, a Rede tem velocidade de 1 GBit por segundo, com capacidade para ser ampliada para 10 GBit, upgrade condicionado ao equipamento em uso. Ou seja, é de fácil expansão. Ademais, explica o coordenador de Redes e Infraestrutura da UFPel, Eduardo Monks, o grande diferencial deverá ser a possibilidade de novos projetos e ações conjuntas entre as instituições parceiras que será possibilitado por meio de uma rede de fibra óptica qualificada. Entrariam aí, por exemplo, experimentos que exijam grande volume de dados, aplicações 3D, vídeos, entre outras.

Publicado em 12/01/2018, em Notícias.