Início do conteúdo

Surge na UFPel um novo clima institucional entre direções de unidades e gestão

dsc08360.JPG A UFPel está criando um clima institucional favorável ao trabalho colaborativo entre a Administração Central e as direções de unidades acadêmicas. O passo inicial foi dado na tarde desta segunda-feira(11), quando foi realizada a primeira reunião, na nova gestão, entre Reitoria e diretores. Um dos resultados do encontro foi a criação de comissões mistas, entre administração e direções, que estudarão modelos de Matriz Orçamentária e de distribuição de vagas docentes e técnico-administrativas.

Até certo ponto inédita na Universidade, a iniciativa da Reitoria de convidar os diretores para conhecerem melhor a realidade da instituição e o que vem sendo feito na nova gestão deu resultado. Os diretores receberam os dados, lançaram questões, prestaram depoimentos, elogiaram a realização do encontro e colocaram nomes à disposição para compor as comissões mistas.

dsc08345.JPG “Este deve ser, ao lado do Conselho Universitário, um dos mais importantes fóruns de discussão da Universidade”, disse o reitor Mauro Del Pino, ao abrir a reunião, realizada no auditório do gabinete. Ele lembrou que a relação entre gestão e direções deve ser pautada nos princípios que norteiam a administração pública, que são a impessoalidade, a publicidade, a legalidade, a moralidade e a eficiência.

“Queremos uma atuação pactuada com as direções, com diálogo, ações conjuntas, reuniões periódicas e grupos de trabalho”, observou Del Pino. Como pauta imediata, foi tratada a constituição das comissões sobre orçamento e distribuição de vagas, que terão cinco representantes da administração central e cinco diretores, de áreas e de tipos de unidades diferentes, de centros, institutos e faculdades. Uma forma de empoderar os diretores visando a resolução de problemas nas unidades também foi pauta do encontro.

dsc08338.JPG Em suas manifestações, os diretores apresentaram demandas relativas às 30 horas de jornada de trabalho para os servidores, à infraestrutura e quanto ao funcionamento do campus Capão do Leão à noite. O reitor respondeu que as questões de infraestrutura estão sendo tratadas pela Pró-Reitoria de Planejamento e Desenvolvimento, que já havia feito seu relato de ações neste sentido, que a Universidade retomará o debate sobre as 30 horas, e que há audiência marcada com a Asufpel para tanto, e sobre o funcionamento noturno no Capão do Leão que providências estão sendo estudadas e tomadas, como a solicitação à Metroplan para o provimento de linhas de ônibus nestes novos horários.

Critérios
Os diretores assistiram apresentações de estudos e modelos sobre a matriz orçamentária, cuja grande questão é como equalizar a distribuição de recursos entre as unidades acadêmicas e o custo da manutenção das atividades de ensino, de graduação e de pós-graduação, e ainda sobre as distribuições de vagas docentes e técnico-administrativas. Um dos objetivos da apresentação dos modelos, e também do trabalho das comissões que estão sendo formadas, é o do estabelecimento de critérios a serem usados, independente de quem esteja na administração da Universidade. “Queremos a constituição, a médio prazo, de um modelo justo de matriz e de distribuição destes recursos”, ressaltou Mauro Del Pino.

A comissão sobre distribuição docente terá a participação ainda da CPPD (Comissão Permanente de Pessoal Docente) e a de pessoal técnico-administrativo da CIS (Comissão de Supervisão da Carreira).

Prestação de Contas

No começo da reunião, a chefe de gabinete, Margarete Marques, apresentou o funcionamento do gabinete e os servidores que lá trabalham. Seguiram-se relatos das principais atividades de cada área, começando com a Coordenação de Relações Internacionais, quando o coordenador, Gustavo Vieira, falou sobre o Conselho do órgão, encarregado de planejar o processo de internacionalização da UFPel.

O pró-reitor de Extensão e Cultura, Antônio Cruz, fez referência sobre as edições do Proext 2013 e 2014, sobre o Programa Interno de Bolsas de Extensão e Cultura, que tem 360 bolsas de demanda anual e 126 de demanda espontânea e sobre a criação das bolsas permanência, para estudantes atendidos com recursos do Pnaes.

Os projetos pedagógicos dos cursos, os programas PET e Pibid, a mobilidade acadêmica e a organização do DRA e do sistema acadêmico foram tratados pelo pró-reitora de graduação, Fabiane Tejada da Silveira.

Na área de gestão de recursos humanos, o pró-reitor, Sérgio Christino, abordou a carência de técnico-administrativos, os concursos que serão feitos agora, a necessidade de realizar um dimensionamento da força de trabalho e ainda a questão dos professores temporários.

A pró-reitora de Assuntos Estudantis, Rosane Brandão, falou sobre a extensão de programas a estudantes de pós-graduação, sobre a reforma da Casa do Estudante, os diversos auxílios concedidos e sobre a nova bolsa permanência.

A reestruturação da Pró-reitoria Administrativa e informações sobre pagamentos e transferências feitos pela gestão, além de números sobre concorrências e pregões formaram a fala do pró-reitor, Antônio Carlos Cleff.

O pró-reitor de Infraestrutura, Gilson Porciúncula, fez menção a dificuldades encontradas no começo da gestão, como contratos vencidos, e o esforço depreendido para normalizar os serviços, como a regularização da vigilância. A pró-reitoria está realizando um estudo de vulnerabilidade dos prédios, visando a construção de um plano de segurança. Porciúncula relatou ainda a melhoria do abastecimento de água no Campus Capão do Leão, a compra emergencial de extintores de incêndio e os mutirões de serviços gerais.

Representando a pró-reitora Denise Gigante, que estava viajando, Luciano Agostini apresentou as novidades da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação, que está implantando uma nova forma de gestão baseada no diálogo, com visão institucional. Falou sobre a duplicação no número de bolsas Fapergs, o aumento expressivo de bolsas também para atender professores novos e a demanda social, a viabilização de incubadoras dentro da Universidade e a criação de uma diretoria de projetos, entre outros assuntos.

Os relatos da área do Planejamento e Desenvolvimento foram feitos pelo pró-reitor Luiz Osório Rocha dos Santos, que abordou a confecção do Relatório sobre a Avaliação Institucional, o apoio dado aos cursos de graduação e a distribuição do orçamento e sobre o levantamento das condições físicas da Universidade, direcionando recursos ao atendimento das situações mais graves. Entre estas está parte do prédio do Campus das Ciências Sociais, que teve salas interditadas pela direção do IFISP e pela Administração Central e que já recebem reformas.

Déficit
Ao fim do encontro, o pró-reitor de Planejamento apresentou planilhas de despesas contínuas e de dívidas de exercícios anteriores. O déficit orçamentário da UFPel hoje é de cerca de R $ 22 milhões. Osório convidou os diretores a firmarem uma parceria para auxiliarem na resolução do problema. Em seguida, o pró-reitor administrativo falou sobre proposta de suprimento de fundos às unidades, na forma de cartão corporativo. Antônio Carlos Cleff disse que cartão poderá ser usado para pagar serviços ou material, sempre em caráter excepcional.

Publicado em 12/03/2013, em Notícias.